Quinta-feira, 19 de maio de 2022, às 10:34:40- Email: [email protected]



AMAZÔNIA Bancada ruralista quer tirar o Mato Grosso da área da Amazônia Legal

Na última semana, a Frente Parlamentar da Agropecuária avançou com a tramitação do projeto de lei 337/2022, que retira o Mato Grosso da área da Amazônia Legal, reduzindo de 80% para 20% o percentual das propriedades rurais que precisam estar com mata nativa preservada. A medida traz risco anual de US$ 2,7 bilhões por perda de produtividade para o agronegócio, de acordo com dados da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Autor do projeto, o deputado Juarez Costa (MDB-MT) argumenta que Mato Grosso precisa da mudança para aumentar a capacidade de plantio para produção de alimentos. Além disso, o parlamentar alega que o MT é parte do Cerrado e, por isso, seria obrigado a manter apenas 35% de áreas nativas.

- Advertisement -

“Com o crescimento da população mundial e consequente aumento da demanda nacional e internacional por alimentos, se faz necessário uma expansão das áreas de produção em áreas de fronteira agrícola”, justifica o deputado no projeto.

Ciência

Após analisar o projeto, o Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade Federal de Minas Gerais (CSR/UFMG) emitiu Nota Técnica sobre os efeitos do projeto. A avaliação se concentra especialmente nas consequências climáticas da entrega de 16,9 milhões de hectares de vegetação nativa do MT ao desmatamento.

Além de permitir o desmatamento dos 16,9 milhões de hectares de vegetação nativa, a aprovação do PL 337/2022 desobriga o reflorestamento de outros 3,3 milhões de hectares que hoje precisam ser recuperados, justamente o inverso da solução climática que, segundo o estudo da UFMG, se dará somente pela preservação e reflorestamento.

(Fonte: Correio Braziliense)

Compartilhar notícia:






Veja mais notícias