Amazônia+21: Rondônia é exemplo de desenvolvimento sustentável na região amazônica

Date:

instituto pretende atrair negócios sustentáveis inspirados nos princípios do ESG para a região. Segundo levantamento da Federação das Indústrias do estado, 40% da economia global está baseada em produtos e componentes derivados da biodiversidade

Luciano Marques/Brasil 21/Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Amazônia+21: Rondônia é exemplo de desenvolvimento sustentável na região amazônica
O Brasil, em especial a Amazônia, esteve no centro das discussões em Glasgow, na Escócia, durante a COP26. As Federações das Indústrias dos nove estados que compõem a Amazônia Legal estão atentas ao potencial da floresta e criaram o Instituto Amazônia+21, cujo objetivo é fomentar negócios sustentáveis na região. Rondônia, onde nasceu o projeto do instituto, é um exemplo de como os estados amazônicos podem se desenvolver sem degradar o ambiente.

O Instituto Amazônia+21 nasceu a partir do Fórum Mundial, em novembro de 2020, com o propósito de difundir os princípios de ESG (ambiental, social e governança, da sigla em inglês), apoiar a criação de novos negócios e projetos sustentáveis na Amazônia, bem como adequar empreendimentos já existentes para práticas sustentáveis, dialogando com as demandas locais e com a vocação econômica da região, que abrange 772 municípios e abriga cerca de 24 milhões de brasileiros. O comando ficou sob responsabilidade da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), mas conta com a participação da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e demais Federações das Indústrias nos estados da Amazônia Legal.

O presidente da FIERO e também do Instituto, Marcelo Thomé, explica que a concepção do Instituto Amazônia+21 contempla uma pauta de negócios que enxerga na região o principal vetor de desenvolvimento sustentável do Brasil e da indústria verde brasileira. O objetivo, segundo ele, é fazer justamente a interação entre o empresário amazônico, que conhece bem e deve apresentar sua realidade, com aquele que pode investir e impulsionar projetos de impacto.

“Seremos o elo de quem produz e conhece o local e aqueles que têm interesse e compromisso de investir de maneira sustentável, tornando-se aliados na conservação da Amazônia”, destaca Thomé. “Vamos gerar e impulsionar projetos de impacto positivo a partir do que é próprio daqui da região”.

Amazônia+21: Mato Grosso já investe em economia verde nas fazendas sustentáveis

Amazônia+21: empresários do Tocantins recebem direcionamento para implementar ESG, a economia verde

Levantamento da FIERO aponta que 40% da economia global está baseada em produtos e componentes derivados da biodiversidade. “O bioma Amazônico é a base mais valiosa para geração de riquezas a partir de negócios sustentáveis”, considera o presidente do Instituto.

Segundo Diogo Martins, assessor especial de políticas públicas e governança climática da Secretaria do Estado, Rondônia já vem desempenhando o seu papel de desenvolvimento sustentável com projetos voltados à economia verde, ao mercado de carbono florestal e à remuneração por serviços ambientais, de modo a recuperar áreas degradadas e preservar o meio ambiente da Amazônia Legal no estado.

“Um dos eixos dos planos de ação do estado de Rondônia, principalmente para o desenvolvimento sustentável de baixas emissões, é o eixo da bioeconomia, que vem para fortalecer as cadeias produtivas do estado de Rondônia, principalmente a castanha da Amazônia e o cacau. Rondônia vem fortalecendo essas cadeias coletivas também por meio de políticas públicas, como a instituição do selo verde para boas práticas em unidade de conservação e vem fortalecendo essas políticas públicas para incentivar ainda mais essa economia verde”, ressalta Diogo.

O assessor também ressaltou que Rondônia tem um dos maiores projetos mundiais de REDD+ (recompensa financeira para Redução de Emissões de gases de efeito estufa, provenientes do Desmatamento e da Degradação florestal), na reserva Rio Cautário, onde a população local vive da biodiversidade, produzindo e, ao mesmo tempo, sustentando e protegendo a natureza.

“Rondônia, hoje, conta com dois projetos em funcionamento nas reservas extrativistas do Rio Preto Jacundá e do Rio Cautário e estão relacionados ao sequestro de carbono e ao desmatamento evitado. Um desses projetos já conta com o pagamento de serviços ambientais para a comunidade”, relata Diogo.

No último dia 16, a Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater) anunciou que está assumindo um importante papel na agenda de preservação da região, com a gestão e implementação de ações voltadas especificamente para apoiar os Projetos de Recuperação de Áreas Degradadas e Alteradas (Pradas). O objetivo é dar apoio aos agricultores familiares nos processos de adequação ambiental dos imóveis rurais, incluindo tecnologias e práticas de produção sustentáveis nas áreas de uso alternativo do solo.

As principais iniciativas do Instituto Amazônia+21, em 2022, devem se concentrar no biogás, que é a produção de energia limpa, a partir da decomposição de matéria orgânica, e a integração lavoura, pecuária e floresta (ILPF), um sistema produtivo que agrega, num mesmo espaço, o componente da agricultura, o da pecuária e, em algumas situações, o florestal, e que aumenta a produtividade, reduz os custos e diversifica a produção ao passo em que promove a recuperação ambiental.

ESG e a economia verde
O Instituto Amazônia+21 é voltado para fomentar novos modelos de negócios capazes de promover o desenvolvimento sustentável nos estados da região amazônica. A ideia é proteger a biodiversidade com adoção de práticas produtivas de baixa emissão de gases poluentes e alinhadas com as metas estabelecidas pela chamada economia verde, apoiada em três pilares: ambiental, social e governança (da sigla em inglês ESG).

Segundo Karen Oliveira, gerente para Políticas Públicas e Relações Governamentais da TNC Brasil, organização não governamental que atua há 30 anos na Amazônia com foco em conservação e mitigação de mudanças climáticas, a economia verde é um modelo de desenvolvimento baseado em soluções encontradas na natureza. Além do que a floresta já oferece naturalmente, como os ciclos de água e captura de gases do CO², ela contribui com produtos madeireiros e não madeireiros. E o mercado mundial atento à economia verde exige, cada vez mais, que os empreendimentos tenham cuidados sociais e ambientais.

“Quando a gente fala da economia verde nós estamos nos baseando numa economia que não é intensiva em carbono, o que a gente chama de uma transição para uma economia de baixo carbono, baseada no uso sustentável da floresta e que respeita os povos da floresta, respeita as comunidades tradicionais, respeita os indígenas que vivem nessa região e que busca conciliar desenvolvimento com conservação”, explica Karen.

O Instituto Amazônia+21 esteve presente na COP26 porque o encontro não foi apenas uma Conferência Climática, mas tratou também de biodiversidade, uma vez que os assuntos estão interligados. Um dos temas que marcou o evento foi a conservação da floresta, ao mesmo tempo em que se promoveu o crescimento econômico que todos os países almejam. Tanto que o pacto assinado pelos países que participaram da COP26 trouxe temáticas ligadas às soluções baseadas na natureza como um instrumento de enfrentamento às mudanças climáticas.

Karen destaca que o mundo tenta implementar, desde a Conferência Rio92, o conceito de desenvolvimento sustentável, e a economia verde é uma solução vantajosa para se continuar produzindo e se desenvolvendo econômica e socialmente. “O desenvolvimento sustentável nada mais é do que garantir para gerações futuras as mesmas quantidades de recursos naturais que temos hoje disponíveis na natureza”, explica.

Maranhão: produção de biogás, do Amazônia+21, pode se juntar a outros projetos sustentáveis

Amazônia+21: Pará é o estado com maior potencial para a produção de Biogás

Histórico
A criação do Instituto Amazônia+21 resultou dos debates do Fórum Mundial da Amazônia de 2020, que foi sediado em Porto Velho (RO) e ocorreu de forma virtual. A iniciativa visa fortalecer as políticas de ESG.

O termo vem ganhando ainda mais destaque no mundo dos negócios com a incorporação desses conceitos dentro da Bolsa de Valores. Em 2020, os chamados títulos verdes movimentaram uma quantia que chegou à casa dos trilhões de dólares em todo o mundo.

Compartilhar notícia:





Veja mais notícias

SAÚDE – Edital de seleção de médicos segue aberto em Porto Velho com baixa apresentação de profissionais

Falta de profissionais reflete no atendimento em unidades de...

Motorista flagra caminhonete capotada sozinha às margens da BR 174, em Vilhena

Nesta quinta-feira, (27), um motorista que passava pela BR-174,...

Traficantes são presos na fronteira com mais de meia tonelada de droga

Mais de 608 kg de de cocaína, avaliados em...

MEC oficializa pagamento do Piso do Magistério

Por meio das redes sociais o presidente, Jair Bolsonaro,...