Terça-feira, 17 de maio de 2022, às 22:18:30- Email: [email protected]



Combustíveis mais caros puxam maior inflação para março desde 1994

Disparada de 1,62% do IPCA eleva variação do índice oficial de preços a 11,3% no acumulado dos últimos 12 meses, aponta IBGE

 

Os combustíveis (+6,7%) voltaram a figurar como vilões e impulsionaram a disparada de 1,62% da inflação oficial em março. Trata-se da maior variação para o mês desde 1994, antes da adoção do real, apontam dados divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado representa uma alta em ritmo maior em relação ao salto de 1,01% nos preços apurado pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em fevereiro. Com a aceleração, o indicador acumula alta de 3,2% no primeiro trimestre e de 11,3%, nos últimos 12 meses.

- Advertisement -

Diante da manutenção da inflação em patamares elevados, o BC (Banco Central) já admite que o IPCA terminará 2022 acima do teto da meta pelo segundo ano consecutivo. O alvo do CVM (Conselho Monetário Nacional) para o índice é 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2% a 5%).

Principal influência no bolso dos consumidores, a gasolina ficou 6,95% mais cara no mês passado. A variação é motivada pelo reajuste 18% no preço da gasolina e de 25% no valor cobrado pelo diesel nas refinarias, que passaram a valer no dia 11 de março.

O movimento colocou o grupo de transportes na liderança entre os reajustes, com alta de 3,02% no mês passado. Além dos combustíveis, o transporte por aplicativo (7,98%) e o conserto de automóvel (1,47%) são outros componentes que ajudam a explicar a alta do grupo.

Por outro lado, houve queda de 7,33% no preço das passagens aéreas. O gerente do IPCA Pedro Kislanov atribui a variação à metodologia que considera uma viagem marcada com dois meses de antecedência. “A variação reflete a coleta de preços feita em janeiro para viagens realizadas em março. Em janeiro, houve um aumento nos casos de Covid-19, o pode ter reduzido a demanda e, consequentemente, os preços das passagens aéreas naquele momento”, avalia.

Alimentação

O segundo maior impacto partiu do grupo de alimentação e bebidas (+2,42%), com forte valorização do preço de alimentos para consumo no domicílio (+3,09%). A maior contribuição individual foi do tomate, cujo preço subiu 27,22% no mês passado.

A cenoura, por sua vez, avançou 31,47% e já acumula alta de 166,17% nos últimos 12 meses. Também ficaram mais caros o leite longa vida (+9,34%), o óleo de soja (+8,99%), as frutas (+6,39%) e o pão francês (+2,97%).

Compartilhar notícia:






Veja mais notícias

Thiago Varejo faz palestra em Cacoal dia 31 de maio

O palestrante e empresário do Estado de Minas Gerais,...

Centro esportivo Golden Boys vence Copa Santa Luzia, em Sapezal

O Centro Esportivo Golden Boys participou da Copa Santa...

Cacoal intensifica campanha de combate às queimadas urbanas

A prefeitura de Cacoal, por meio de suas secretarias...

Em votação nominal unânime Câmara rejeita veto do executivo no PL 40

por Claudinei Sorce O poder legislativo municipal rejeitou o veto...