Quinta-feira, 19 de maio de 2022, às 12:27:26- Email: [email protected]



Homem tem pulmão perfurado por uso de cigarro eletrônico

Após ter uma pneumonia química, o manauara fez um post em seu perfil no Twitter para conscientizar os jovens do uso em excesso do Vape.

Foto: Reprodução

Após ter uma pneumonia química, o manauara fez um post em seu perfil no Twitter para conscientizar os jovens do uso em excesso do Vape.

O cigarro eletrônico vem se tornando a sensação do momento entre os jovens. Mas será que o aparelho que produz no lugar da combustão do cigarro comum, a vaporização, é menos agressivo?

- Advertisement -

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a dosagem varia de acordo com o fabricante. A mais baixa equivale a seis cigarros comuns.

Ainda conforme o instituto reforça que o dispositivo é seguro, mas pode causar dermatite, doenças cardiovasculares e até mesmo o câncer.

E o aparelho, que seria para uso recreativo, por muito pouco não causou uma tragédia na vida do bancário manauara Allan Doug, bastante influente nas redes sociais, com mais de 19 mil seguidores.

Uso excessivo

Ele contou em entrevista ao Portal Tucumã o drama vivido nos últimos dias, após o uso excessivo do cigarro eletrônico, conhecido como “Vape”, que acabou ocasionando uma perfuração em seu pulmão esquerdo.

O caso de Doug virou notícia nacional no último final de semana depois de relatos feitos por ele nas redes sociais. O post viralizou na internet depois que a influenciadora digital e ex-BBB 21, Viih Tube, ter compartilhado o depoimento dele.

O manauara, de 30 anos, era fumante e costumava consumir cigarro socialmente há três anos. Segundo ele, por curto tempo também começou a usar cigarro eletrônico descartável. “Eu acabei experimentando o Narguilé, como era muito forte eu não gostei”.

Acostumado a frequentar festas e baladas com os amigos, ele percebeu uma nova sensação nos eventos. “Eu acabei experimentando o cigarro eletrônico e gostei por ser leve e soltar mais o vapor. Comprei um em dezembro do ano passado para uso com essência (sem nicotina), disse o bancário.”

O manauara não sabia o mal que esse tipo cigarro podia causar para sua saúde.

O diagnóstico

Conforme Allan Doug, no dia 28 de fevereiro, segunda de carnaval, de férias no Rio de Janeiro, curtia a festa de momo por lá com os amigos naturalmente.

“Eu não estava bebendo. Apenas fumei meu Vape durante três horas, tempo máximo de uso dele. No dia seguinte, acordei com muita dor no peito, seguida de tosse seca por umas quatro horas, disse Allan.”

Percebendo a gravidade, Allan Doug, buscou atendimento em uma unidade de saúde na capital carioca. Se medicou e embarcou de volta para Manaus no dia 02 de março. O manauara não imaginava que estava com o pulmão perfurado devido o uso do cigarro eletrônico.

Arquivo Pessoal

Exame feito no manauara, diagnosticado com pneumonia química – Arquivo Pessoal

Um dia após a viagem, se sentiu mal novamente pela madrugada e não suportou a dor no peito.

“Era uma dor insuportável. Corri para o hospital particular quase sem respirar. Fui atendido por um clínico geral que imediatamente solicitou um Raio X do tórax.”

Conforme Allan, ao voltar para o consultório, o médico detectou que ele estava com pneumonia química. A lesão gerou líquido e uma perfuração no pulmão esquerdo.

De lá foi direto para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para iniciar o tratamento com antibiótico, onde ficou por três dias na ventilação mecânica, mesmo consciente. Ele teve alta da UTI, mas ainda continuou no hospital.

“Depois que saí da UTI, ainda fiquei mais oito dias fazendo exames e tomando outras medicações para tratar da doença”.

Repercussão Nacional

Durante a internação no hospital, Allan acabou postando uma foto em seu perfil no Twitter. “Eu decidi fazer a postagem para alertar e conscientizar os jovens que o uso excessivo Vape é tão perigoso quanto não se imagina”, ressalta o manauara que teve o pulmão perfurado pelo uso do cigarro eletrônico.

De acordo com ele, a postagem com imagem das medicações gerou tanta repercussão que além de Viih Tube, outros famosos como jogadores e até cantores sertanejos repostaram o depoimento dele.

 

“Através do Twitter, muitos jovens visitaram meu perfil no Instagram onde tive mais de duzentas mensagens no meu direct perguntando da minha recuperação. Depois de ter passado essa barra de 11 dias internado no hospital, eu parei de fumar e me desfiz do cigarro eletrônico. A minha saúde vale mais que isso”, finalizou Allan.

O perigo do “Vape”

De acordo com o médico especialista, que trata diretamente de doenças no pulmão, e infectologista Nelson Barbosa, o “Vape” não passa de pura ilusão. “O perigo é o mesmo, se a infecção não for detectada a doença pulmonar pode evoluir rapidamente podendo levar a morte.”

Segundo o médico infectologista, o risco desse dispositivo é o mesmo que o cigarro comum. “A fumaça produzida durante a sucção é muito perigosa. Tem entre 4 mil a 4,7 mil substâncias químicas. A pior entre elas é o Formaldeído (formol), que é altamente tóxica e cancerígena. Ela é utilizada bastante por profissionais de beleza, e até mesmo em cadáveres. Quando entra no organismo irrita as células do pulmão”. Foi isso que o cigarro eletrônico fez com o pulmão do manauara, segundo o médico.

Ainda de acordo com Nelson Barbosa, médico especialista que trata diretamente de doenças no pulmão, ressalta que o Vape não passa de pura ilusão. “O perigo é o mesmo, se a infecção não for detectada a doença pulmonar pode evoluir rapidamente podendo levar à morte”. (ecosdanoticia)

Compartilhar notícia:






Veja mais notícias