Incentivo à doação de medula óssea é essencial para reverter queda registrada na pandemia

Date:

A pandemia do coronavírus é associada pelos especialistas à queda no número de doadores de órgãos e tecidos. Entre janeiro e agosto de 2021, por exemplo, 124.920 indivíduos foram incluídos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME). O número equivale a apenas 54,5% do total registrado em 12 meses de 2020, ano em houve queda significativa no cadastro de doadores. No total, entre janeiro e dezembro do ano passado foram incluídos 229 mil indivíduos no REDOME, 21% a menos do que em 2019. “A tendência de queda no número de voluntários é um dado que deve servir de alerta para retomarmos as ações de incentivo à doação”, explica o hematologista e professor do IDOMED – Instituto de Educação Médica, Vitor Paviani.

Ainda segundo o REDOME, em agosto o País tinha 5,429 milhões de doadores voluntários. Em média, há no País 650 pacientes em busca de tecidos compatíveis. A ampliação constante no banco de doadores é essencial por causa da dificuldade em identificar a compatibilidade de tecidos entre doadores e pacientes. Em 2020, o número de transplantes de medula óssea realizados no País (279) foi o menor visto desde 2014.

Para mudar esse quadro, é preciso estimular a doação. Paviani diz que o ideal é atender quatro quesitos principais para ser um voluntário: ter entre 18 e 35 anos; estar em bom estado geral de saúde; não ter doença infecciosa ou incapacitante e não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico. Após o registro, o voluntário retira sangue para análise e os dados são mantidos em um sistema nacional consultado sempre que há um novo paciente com necessidade de tecidos.

O transplante de medula óssea é usado no tratamento de alguns casos graves de leucemia. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a doença é identificada em 10.810 brasileiros a cada ano.

Quando há compatibilidade entre doador cadastrado e receptor, a coleta do material pode ser feita de duas formas: por uma máquina semelhante à usada na doação de plaquetas sanguíneas ou com uma punção na medula do doador. “São procedimentos seguros. O doador pode passar por algum desconforto, mas estará salvando uma vida”, diz Paviani.

A procura por uma medula 100% compatível

A fila de espera por uma medula que seja compatível não para de crescer. Além dos pacientes com leucemia, há casos (mais raros) de outras doenças que exigem o transplante como tratamento. É o caso da pequena Isabela Feckinghaus, que completou 5 anos de idade no último dia 20 de dezembro. Filha da médica Carolina Monteguti Feckinghaus, a menina foi diagnosticada com uma doença rara, a linfohistiocitose hemofagocitica.

“Em junho de 2020 ela teve febre e várias lesões pelo corpo. Após várias consultas, chegamos ao diagnóstico da doença, uma síndrome de hiperativação imunológica. Em palavras simples: quando tem uma infecção, o sistema imunológico dela responde de forma exagerada, o que provoca danos a vários órgãos: fígado, coração, baço, medula óssea”, diz a mãe de Isa.

“Quando soubemos o diagnóstico da Isa, eu estava gestante de 34 semanas. Fomos orientados a guardar o cordão umbilical. Caso a Isa precisasse de transplante de medula, teríamos essa opção. Infelizmente, porém as irmãs não são compatíveis. Então iniciamos a nossa busca pelo REDOME, fizemos campanha nas redes sociais. Em quase 6 meses de procura, ainda não encontramos um doador 100% compatível”.

Carolina conta que a equipe médica que atende a menina decidiu tentar um transplante mesmo sem um doador 100% compatível. A medula usada foi a do pai da menina, procedimento chamado transplante haploidêntico. “Estava tudo indo bem, mas infelizmente houve uma recidiva em outubro de 2021. Ela voltou a fazer quimioterapia e precisamos encontrar um doador 100% compatível para um novo transplante”.

Atualmente, a família e amigos de Isa promovem uma campanha pelo Instagram @todospelaisa onde estimulam a doação de medula óssea e consequentemente a busca por um doador 100% compatível.

Banco Nacional de Doadores

Pai de uma criança de 4 anos, Frederico Borges, foi um dos novos doadores cadastrados em 2020. Comovido com a situação da Isabela, o advogado que reside a mais de 800 quilômetros de distância na menina, buscou o hemocentro mais próximo da sua cidade para fazer parte do Cadastro Nacional de Doadores.

“Acredito que um dos maiores obstáculos para qualquer pessoa é o desconhecimento. Eu não sabia que podia fazer a diferença para a Isabela e outras pessoas que estão aguardando o transplante de medula. Quando descobri o quanto era simples ser um doador, não consegui não fazer nada. Saber que entrar no cadastro é dar uma chance a mais para todos eles, já foi a maior recompensa que eu poderia receber ” comentou o advogado.

A esperança para a cura da pequena Isabela e dos mais de 10 mil pacientes diagnosticados por ano está no cadastro de doadores. O REDOME disponibiliza no site http://redome.inca.gov.br/ todas as informações importantes para quem deseja salvar uma vida. Na página é possível encontrar os hemocentros que efetuam o cadastro nos diferentes estados do País. E, para quem já é cadastrado, vale lembrar que é importante manter as informações atualizadas. No caso de haver um paciente compatível, será preciso encontrá-lo. Por isso é importante manter os dados, principalmente endereço e telefone, sempre atualizados. A atualização é simples e pode ser realizada pela internet.

Compartilhar notícia:





Veja mais notícias

SAÚDE – Edital de seleção de médicos segue aberto em Porto Velho com baixa apresentação de profissionais

Falta de profissionais reflete no atendimento em unidades de...

Motorista flagra caminhonete capotada sozinha às margens da BR 174, em Vilhena

Nesta quinta-feira, (27), um motorista que passava pela BR-174,...

Traficantes são presos na fronteira com mais de meia tonelada de droga

Mais de 608 kg de de cocaína, avaliados em...

MEC oficializa pagamento do Piso do Magistério

Por meio das redes sociais o presidente, Jair Bolsonaro,...