Ômicron: quais são os sintomas da nova variante comparados aos das anteriores

Date:

Cientistas de todo o mundo vêm estudando em detalhes a ômicron, a nova variante do coronavírus que vem se espalhando em ritmo acelerado em vários países.

Na África do Sul, onde foi inicialmente detectada, ela já responde por mais de 90% das novas infecções. Em Londres, no Reino Unido, metade dos casos recém-notificados já são causados pela ômicron.

Algumas constatações já foram feitas, entre as quais a de que a ômicron é significativamente mais contagiosa, mas ainda há muito a ser descoberto sobre essa nova variante.

Ômicron: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul

 

E quanto aos sintomas?

 

Em entrevista à BBC, o imunologista e geneticista canadense John Bell, professor de Medicina da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e conselheiro do governo britânico para Covid-19, disse que os sintomas da ômicron são “diferentes” das cepas anteriores do coronavírus.

Dor de garganta, músculos doloridos, principalmente na região da lombar, nariz entupido, problemas estomacais e fezes moles são possíveis sinais da nova variante.

“Uma das coisas que sabemos é que a ômicron é bem diferente”, disse ele, acrescentando que a mialgia (dor muscular) é uma “característica distintiva” da ômicron e que os especialistas em saúde pública não sabiam por quê.

Segundo Bell, dados da África do Sul e do aplicativo Zoe (que ajuda a reunir pesquisas sobre a disseminação e os sintomas da Covid-19 no Reino Unido) mostraram que outros sintomas incomuns da ômicron incluem “um pouco de mal-estar intestinal, fezes moles”.

“É uma das características mais interessantes. Parece que (a ômicron) está se comportando de maneira diferente”, disse ele ao programa Today, da BBC 4.

Médicos na África do Sul também notaram garganta inflamada em vez de dor de garganta, tosse seca, cansaço extremo e suores noturnos.

A perda do paladar ou do olfato, registrados em inúmeros pacientes que contraíram as variantes anteriores do coronavírus, não parecem estar entre os sintomas dessa variante inicialmente relatados na África do Sul.

 

Transmissão e reinfecção

 

Na entrevista, Bell acrescentou que embora algumas coisas sejam conhecidas sobre a ômicron, outras ainda não foram determinadas pelos dados.

Uma coisa que os cientistas sabem, disse ele, é sua transmissibilidade.

“Nós sabemos algumas coisas sobre esta variante e há muitas coisas que não sabemos”, afirmou.

“Sabemos que esta é uma variante altamente infecciosa, duas ou três vezes mais infecciosa que a delta, que era uma variante bastante infecciosa em si”.

“Uma das razões pelas quais está se espalhando pelo país (Reino Unido) tão rapidamente é porque ela é muito, muito contagiosa”, acrescentou.

Um estudo preliminar sul-africano, publicado no site Medrxiv, analisou quase 3 milhões de pessoas infectadas com Covid-19. E descobriu que o risco de reinfecção pela variante ômicron é três vezes maior do que para as variantes delta e beta do coronavírus.

Os autores concluíram: “As evidências sugerem que a variante ômicron está associada a uma capacidade substancial de escapar da imunidade de uma infecção anterior.”

 

Gravidade

 

No entanto, quando se trata da gravidade da doença, Bell disse “no momento, não temos realmente os dados” e acrescentou que as próximas semanas vão indicar a gravidade da variante no Reino Unido.

Um levantamento de cerca de 78 mil casos da ômicron na África do Sul, publicada na última terça-feira (14/12), descobriu que a variante está resultando em doença mais branda em comparação com as ondas anteriores, com 29% menos hospitalizações do que a cepa de Wuhan e 23% em comparação com a delta.

Richard Friedland, CEO da Netcare, o maior provedor privado de saúde sul-africano, disse ao jornal britânico The Telegraph que as primeiras tendências durante a quarta onda do país, causada pela ômicron, indicavam uma “forma muito menos severa” da Covid-19.

Durante as três primeiras ondas, 100% dos 55 mil pacientes com Covid-19 hospitalizados nas instalações da Netcare precisaram de oxigênio. Até agora, durante a nova onda, apenas 10% dos 337 pacientes hospitalizados precisaram de oxigênio, assinalou Friedland.

Ele ressalvou, no entanto, que esses resultados eram apenas preliminares e que a situação poderia mudar.

Por sua parte, autoridades britânicas recomendaram “cautela realmente séria” sobre relatos de que uma redução nas hospitalizações estava sendo observada em casos de ômicron na África do Sul.

Esse sentimento foi ecoado por Maria Van Kerkhove, líder técnica da resposta ao coronavírus da Organização Mundial da Saúde (OMS) durante uma entrevista coletiva em 8 de dezembro, quando advertiu que relatos de doença leve são apenas constatações de observações em escala menor e carecem da necessária base científica e acrescentou que é “muito cedo” para tirar conclusões firmes.

Em 12 de dezembro, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, alertou sobre um “maremoto” da ômicron e disse: “Não cometa o erro de pensar que a ômicron não pode machucar você, não pode deixar você e seus entes queridos gravemente doentes.”

No dia seguinte, o primeiro-ministro anunciou a primeira fatalidade vítima da nova variante no país e reforçou a necessidade de vacinação, o que também foi defendido pelo imunologista John Bell.

“O melhor que podemos fazer é vacinar as pessoas que não foram vacinadas”, disse Bell à BBC.

“Isso é o que realmente prejudica o sistema.”

O Reino Unido tem tentado acelerar a vacinação no país e espera vacinar toda a população adulta com uma dose de reforço até o fim do ano. Fonte: G1

Compartilhar notícia:





Veja mais notícias

Ceeja em Cacoal deve atender 1.300 estudantes este ano; matrículas estão abertas até o dia 28

O retorno das aulas do Centro Estadual de Educação...

Prefeitura recebe veículo de transporte de maquinário obtido por emenda do deputado Mauro Nazif

Na manhã desta quinta-feira o Município de Cacoal recebeu...

Rondônia: Comprador de gado é executado a tiros em lanchonete no centro

O comprador de gado, Cicero de 52 anos, popularmente...