Reconstituição da morte de Monalisa Gomes descarta suicídio: ‘A vítima foi morta por estrangulamento’, revela delegada

Date:

A reconstituição do caso Monalisa Gomes da Mata, morta em seu apartamento no bairro Embratel em Porto Velho, foi feita na noite de quinta-feira (16) na residência da vítima. No dia do crime, os dois homens suspeitos tentaram simular o suicídio da vítima.

No local, peritos e agentes da Polícia Civil acompanharam o marido da Monalisa e um amigo do casal, com o objetivo de entender o que aconteceu na noite em que a jovem de 24 anos foi estrangulada.

“Ontem, cada um apresentou sua versão dos fatos. Foi feito um passo a passo do que já eles já haviam alado dentro do inquérito policial, com maiores detalhes, até porque eles mostraram ali o momento anterior, o momento posterior e tudo que aconteceu ali. A gente notou ali naquele local que há uma contradição entre as versões que foram apresentadas, com o que está no inquieto policial”, explicou Leisaloma Carvalho, delegada responsável pelo caso.

Segundo a polícia, com a autópsia e reconstituição do caso, a possibilidade de suicídio fica descartada e agora, o objetivo é descobrir o porque Monalisa foi morta.

“A vítima foi morta por estrangulamento. A alegação em que foi dada é aquela que teria se suicidado e não há essa possibilidade ali, até porque o laudo tanatoscópico, ou seja, o laudo que foi feito no cadáver da cadáver da vítima ele é conclusiva, a causa evidente da morte é estrangulamento”, revelou a delegada.

“A dinâmica do fato é diferente, a maneira como o cadáver foi encontrado destoa. Então é feito um cálculo da posição do varal que foi amarrado no pescoço da vítima, com os detalhes que foram fornecidos, além dos elementos das outras testemunhas e isso tudo ele tem que casar de novo inquérito policial”, explicou Leisaloma.

A delegada responsável por conduzir a investigação informou que os dois suspeitos seguem presos preventivamente e que aguarda a conclusão do laudo da reconstituição.

Simulação de suicídio
Monalisa Gomes, de 24 anos, foi morta na madrugada de 6 de dezembro em seu apartamento, no bairro Embratel, região central de Porto Velho. Os suspeitos, de 33 e 36 anos, chegaram a levá-la à central do Samu, mas, ao chegarem no local, foi constatado o óbito da vítima.

À polícia, os homens explicaram que eles estavam junto com a Monalisa na noite do dia 5 e consumiam bebidas alcoólicas e drogas. No entanto, em determinado momento, o casal começou a brigar e incomodado, o amigo decidiu ir embora. Com a ação dele, o namorado disse que também foi embora.

No entanto, cerca de 30 minutos depois, eles retornaram e encontraram a vítima parcialmente pendurada pelo pescoço, com uma corda que estava amarrada na janela.

No dia do crime, os policiais militares foram ao apartamento da vítima e lá, eles encontraram móveis revirados, cacos de vidro no chão, vestígios de sangue e o arame que foi envolvido no pescoço da vítima amarrado na janela. Os policiais fizeram fotos, que foram cruciais para dar início às investigações.

Ao g1, o delegado de plantão, Pedro Palharini, que acompanhou o início do caso, disse que as marcas no corpo da vítima, observada pelas fotos enviadas pelos militares, chamou a atenção para que se desconfiasse da versão de suicídio dita pelos suspeitos.

Além das marcas de estrangulamento, a vítima apresentava uma série de escoriações pelo corpo e um hematoma na região da cabeça, próximo ao olho, todas elas recentes.

Fonte: G1

Compartilhar notícia:





Veja mais notícias

SAÚDE – Edital de seleção de médicos segue aberto em Porto Velho com baixa apresentação de profissionais

Falta de profissionais reflete no atendimento em unidades de...

Motorista flagra caminhonete capotada sozinha às margens da BR 174, em Vilhena

Nesta quinta-feira, (27), um motorista que passava pela BR-174,...

Traficantes são presos na fronteira com mais de meia tonelada de droga

Mais de 608 kg de de cocaína, avaliados em...

MEC oficializa pagamento do Piso do Magistério

Por meio das redes sociais o presidente, Jair Bolsonaro,...