Terça-feira, 17 de maio de 2022, às 23:51:35- Email: [email protected]



Após prisão de cacique e servidor da Funai “propineiros”, PF e Ibama expulsam madeireiros e garimpeiros de Terras

Após prisão de cacique e servidor da Funai “propineiros”, PF e Ibama expulsam madeireiros e garimpeiros de Terras

Uma parte do maquinário encontrado no local foi destruída

A Polícia Federal, em ação conjunta com o Ibama, concluiu no fim da tarde desta segunda-feira (28), uma grande operação, denominada Onipresente, de combate a crimes ambientais em terras indígenas. Foram reprimidas a extração ilegal de madeira e garimpos clandestinos.

Onipresente é uma operação pertencente ao programa Guardiões do Bioma, do Governo Federal e contou com 2 helicópteros, 12 policiais federais e 4 fiscais do Ibama.

- Advertisement -

As ações foram realizadas durante 15 dias em 21 pontos localizados na Terra Indígena Aripuanã, que fica entre os municípios de Juína e Aripuanã (etnia Cinta Larga); Terra Indígena Menkü no município de Brasnorte (etnia Men?ü) e no Parque Nacional do Xingu em Feliz Natal (etnia Ikpeng), em Mato Grosso.

A escolha das localidades fiscalizadas foi feita através de monitoramento via satélite no sistema Planet, que é capaz de detectar desmatamentos em áreas tão pequenas quanto um quintal de uma casa.  Dessa forma, foi possível uma ação assertiva e eficiente.
Como resultado da operação, foram apreendidos documentos, celulares, sete escavadeiras hidráulicas, três caminhões, sete tratores, doze motocicletas e trinta motores estacionários utilizados na lavagem do solo; além da destruição de diversos acampamentos que davam suporte para o cometimento dos crimes.  As escavadeiras e veículos que estavam em situação precária de conservação ou em locais de difícil acesso foram inutilizados e os demais foram retirados e receberão destinação que será definida posteriormente.
Ressalta-se que, no decorrer da investigação, foi constatado que as atividades ilegais eram realizadas com autorização de lideranças indígenas que recebem valores dos madeireiros e garimpeiros, tendo inclusive sido encontrados com os infratores uma tabela com preço pago aos indígenas.

Durante a Operação Onipresente foi descoberta a atuação de um servidor da Funai que passava informações a garimpeiros para que escapassem da ação policial. Com uma rápida investigação, foi possível   a realização da “Operação Ato Reflexo” que resultou na prisão desse servidor da Funai e de uma liderança indígena que recebia 20% de todo ouro extraído da área protegida.  O nome da operação foi escolhido justamente pela celeridade da investigação e da sua deflagração.

(Folha do Sul)

Compartilhar notícia:






Veja mais notícias

Thiago Varejo faz palestra em Cacoal dia 31 de maio

O palestrante e empresário do Estado de Minas Gerais,...

Centro esportivo Golden Boys vence Copa Santa Luzia, em Sapezal

O Centro Esportivo Golden Boys participou da Copa Santa...

Cacoal intensifica campanha de combate às queimadas urbanas

A prefeitura de Cacoal, por meio de suas secretarias...

Em votação nominal unânime Câmara rejeita veto do executivo no PL 40

por Claudinei Sorce O poder legislativo municipal rejeitou o veto...