Em meio à alta de preços, venda de combustível cresce no país

Date:

As vendas de diesel e gasolina no mercado brasileiro atingiram em setembro níveis superiores ao período pré-pandemia, em meio às altas consecutivas nos preços. A avaliação é que o aquecimento do consumo sinaliza uma retomada da economia, após a fase mais crítica da crise sanitária.

Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), as distribuidoras de combustíveis venderam em setembro deste ano 5,4 bilhões de litros de óleo diesel, volume 3,3% superior ao mesmo mês do ano passado e 10,7% acima do verificado em setembro de 2019. Já a venda da gasolina chegou a 3,4 bilhões de litros, aumento de 11,6% e 13% sobre

O aquecimento do consumo coincide com a sequência de aumentos dos preços dos combustíveis. Com último reajuste da semana passada, a elevação do preço da gasolina nas refinarias já acumula alta de 74% e a do diesel, de 65%, neste ano. Nos postos, o preço médio na semana passada da gasolina ficou em R$ 6,562, enquanto o diesel custava R$ 5,211. Já o valor máximo da gasolina chegou a R$ 7,889 no país.

A Brasilcom (Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural e Bicombustíveis) avalia que o crescimento mostra a retomada da atividade econômica. “O aumento da venda se deve à recuperação lenta e gradual da economia contra uma base de um ano de pandemia e restrição de circulação”, afirma em nota.

Demanda atípica

A procura por combustíveis tem feito a Petrobras registrar “demanda atípica”. A empresa afirmou, em outubro, que recebeu pedidos de distribuidores muito acima dos verificados nos meses anteriores e de sua capacidade de produção. Na comparação com novembro de 2019, de acordo com a empresa, a demanda dos distribuidores por diesel aumentou 20% e por gasolina, 10%.

“A gente está observando um aquecimento do consumo. Com isso, vai ser necessário aumentar o volume importado”, afirma o presidente da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), Sérgio Araujo.

Ele explica que as refinarias nacionais, tanto da Petrobras como as privadas, não têm capacidade de produzir o volume necessário para atender a demanda. O déficit estrutural é de 25% da demanda de diesel e em torno de 15% para gasolina. Com isso, existe a necessidade de importações para atender o mercado. Segundo a Abicom, são importados 1 milhão de metros cúbido de óleo diesel e 250 mil metros cúbicos de gasolina por mês.

Com a venda da refinarias abaixo da paridade, os importadores privados deixaram de operar. A empresa fez as importações para garantir abastecimento, pagando mais caro do que estava vendendo, uma vez que o preço do mercado interno está abaixo do mercado externo.

“Para que as empresas privadas voltem a fazer importações, tem dois caminhos. Ou a Petrobras coloca seu preço ajustado ao mercado internacional, que a gente acredita que não vai acontecer em curto prazo, ou então a empresa deixa de importar e vende somente produtos de suas refinarias. Assim, as empresas privadas podem importar e vender um pouco mais caro que o preço da Petrobras”, avalia Araujo.

Para isso, segundo ele, é importante que a Petrobras informe às distribuidoras qual será o volume de combustível disponibilizado em dezembro. A companhia informou por meio de nota que ainda não recebeu os pedidos dos clientes para o mês de dezembro.

 

Compartilhar notícia:





Veja mais notícias

Após caçada, bebedeira e confusão entre amigos, homem acaba morto a tiros na área rural de Parecis

Na tarde desta terça-feira (18), um homicídio foi registrado...

Anvisa decide nesta quarta-feira liberação de autotestes de Covid-19

A diretoria colegiada da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) se...

Adolescente de 13 anos tenta suicídio em abrigo de Ji-Paraná

Na noite desta terça-feira (18), a Polícia Militar e...

Pai crava faca na perna de bebê de 8 meses durante briga com esposa

Um bebê de 8 meses de idade teve uma...